Minha mãe tem problemas de intestino e vive peidando. Na cozinha é cada baque. E logo a gente sai correndo pra abrir as janelas.

Quando ela vai cagar, parece festa de São João. Parece queima de fogos de bateria de 1800 tiros da Tiziu. É peido pra tudo quanto é lado. E daqueles demorados, sabe?

Eu e meus irmãos ficamos no quarto só ouvindo e rolando de dar risada. Aí a gente começa a zuar. Eu falo meio alto:
– Opa, parece que tem um sapo dentro de casa!

– Minha nossa, parece que tem tiroteio lá fora! – outro irmão meu  fala, caindo na gargalhada.

– Puta merda explodiu um botijão de gás! HEHEh!

– Caralho, acho que vai chover, tô ouvindo trovão! HAHAHAHAH!!!

Meus irmãos adoram fazer piada dos peidos da minha mãe. E ela, coitada, quando sai de lá, não sabe nem aonde se enfiar de tanta vergonha. Ela vai andando pelo corredor, soltando peidinhos, parecendo trote de cavalo peidão.

O foda é que um dia, me lembro bem, eu tomei uns iogurte sabor abacaxi, seguido de uns keepcooler de pêssego, somado ao almoço e sanduba de mortadela com requeijão.

Me deu uma dor de barriga fudida. E tava todo mundo em casa. Só tem um banheiro. E eu me segurando.

Eu tinha certeza de que se eu fosse cagar, ia ser uma metralhadora infernal de peidorréia. E meus irmãos iriam me zoar até depois da minha morte,  para sempre e até o fim da eternidade, se isso é possível.

Eu estava decepcionado com meu cu. Rebelar-se contra seu próprio dono não é uma atitude muito digna.
– Ó, cu ingrato, aguenta mais um pouco. Vamos ver se esvazia essa casa. Puta merda que dor!

E doia muito, meu cu latejava e eu sentia minhas tripas se dilatando enchendo de ar e a merda batendo na portinha.

Esperei o dia inteiro sentado. Quando a gente fica sentado, parece que alivia um pouco e a merda fica menos revolta. Tenho certeza que se eu levantasse, ia me cagar todo.

Anoiteceu, nem jantei. Minha mãe lavou a louça e eu falei pra ela que ia colocar o resto de comida pros cachorros, que ela podia ficar sossegada e ir deitar.

Ela ficou feliz, foi embora soltando peitinhos de alegria e foi se deitar.

É agora!, pensei. Fui lá no quintal, tava bem escuro. Me ajeitei perto do ralo, abaixei o shorts e comecei a caganeira de um dia inteiro.

Voavam jatos (sério mesmo) de merda pra todos os lados. Caguei o quintal inteiro, esguichei merda até nos cachorros. Era uma merda aguada, meu shorts, meu chinelo e meu pé ficaram todos cagados. 
Que degraça. E ao mesmo tempo, que alívio!

Peguei um balde, enchi de água e joguei no quintal. Usei uns 10 baldes de água e ainda não saiu toda a merda. E o cheiro era de uma podridão indescritível. Puta que pariu.

Voltei pra casa, todo sujo de merda e corri pro banheiro e me tranquei lá dentro. Escutei peidos no corredor. Era minha mãe vindo pra perguntar o que houve.

– Ah mãe, os cachorros cagaram o quintal inteiro e eu me sujei limpando aquilo tudo… – respondi.

Minha desculpa colou e ela foi dormir. Tomei um banho, aliviado, por ter finalmente cagado e por ter conseguido escapar de ser apelidado de cagão. Jurei nunca mais zoar a minha mãe peidorreira!

No dia seguinte eu tive uma surpresa: Os cachorros tinham lambido todo o resto da merda.

Um crime perfeito. hehe

»

  1. rauyana disse:

    jesus amado….esse negoció é serio d caganeira…..ô cu froxo”””!!!!!!

  2. amanda disse:

    crus que isso quem coloco e maluco

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s